Connect with us

Língua é Cultura

Can I have/ Could you…please?

Publicado

em

Olá Pessoal! Fico muito feliz de escrever para Tô em Londres sobre Inglês. Não sei, mas talvez se lembre dessa coluna Língua é Cultura publicada por quase dois anos no Brazilian News. Pois bem, a coluna permaneceu focada em dicas de inglês, micos, sugestões para aprender inglês, inglês com música, sem falar nas expressões etc. Então não pense que será uma coluna de gramática porque não será! J

Para primeira coluna, vou passar um dica básica para quem acabou de chegar ou para aquele que tem dificuldade de fazer pedido numa loja ou café!

Can I…?

Desde que cheguei, comprar passe por semana e não por dia por mês, então eu dizia ‘I want to buy one week” (eu quero comprar uma semana), o que era uma forma seguida a tradução literal. Depois, aprendi a usar ‘would like’, então comecei a dizer ‘I would like to buy one week!” (eu gostaria de comprar uma semana) porque pensava ‘ao menos era muito mais educado usar o “would like” (gostaria)’. Hhuahaua mesmo assim, esta forma não era a mais correta e o ideal seria:

“Can I have one week travel card, please?”

Se você quiser apenas um passe, você pode dizer “Can I have one day travel card, please? ” no pé-da-letra, seria (Eu posso ter um passe?) mas na verdade (você poderia me dar passe do dia/ ou passe semanal). Provalmente vão te perguntar “qual é a zona?” já que o valor muda dependendo da zona que andará.

A expressão “Can I have…” seria o nosso “ me dê …”, isto é, na nossa cultura, falamos no imperativo, quase que mandando, e às vezes colocamos “por favor.” Bem, já os ingleses, no excuses dear, eles usam o pedido do passe, juntamente com o “ please”. Não esqueça!!!

Outro exemplo, você está no supermercado e por acaso o caixa não te oferece a sacola e você precisa, você pode dizer “Can you give the bag, please?” ( Você poderia me dar a sacola, por favor?).

Quando você vai pedir alguma na cafeteria, você deve pedir também com “Can I have a coffee/ hot chocolate, please?”.

Não traduza no pé-da-letra porque ficaria sem sentido, assim “Eu posso ter um café?” quando na verdade, é (Me dê um café, por favor?). Galera não esqueça do “please” porque é usado o tempo todo. O mesmo acontece no pub, você diz

“ Can I have a water, please?” (Me dá uma água, por favor?). Bom dizer que uma informação cultural. Aqui é muito comum vê-los pedir ‘tap water’, que é a água da torneira. Super comum!

Could you tell…

Para pedir alguma informação, temos uma frase um pouco mais complexa, e por educação deve-se usar: “Could you tell me where can I find a post office, please?” (Você poderia me dizer onde eu posso encontrar um correio, por favor?) ou no supermercado “Could you tell me where is the rice, please?”. (Você poderia me dizer onde está o arroz, por favor?).

Não podemos deixar de dizer que o “Can” é usado em outras situações, além de fazer pedidos. O verbo tem o sentido do verbo “ poder”, ou melhor “ser capaz de algo”. Este verbo é chamado de modal, juntamente com “might”, “ must” etc. Eles não têm o “to”, não são acompanhados de “do”, “did”, “will” e “would” e não podem ser usados com “-ing”. Falaremos adiante sobre o uso dos modais.

O fato é que o “Can I have…” é muito usado para comprar/pedir qualquer coisa! Portanto guarde esta expressão!!! E use sempre que precisar!!!

Se você tem histórias/micos, dúvida ou alguma sugestão e até mesmo correção, me escreva contato@culturart.co.uk.

Curiosa, apaixonada pela vida, sinto feliz quando sou útil a alguém! Espero que os textos sobre inglês sejam úteis na sua vida! E que você supere todos obstáculos da linguagem para conquisar espaços jamais conquistados!

Continue Lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog

Não “push”, empurre!

Publicado

em

Essa semana publiquei uma foto que gerou vários comentários e despertou a curiosidade de muitos! Se você já veio a Londres ou a qualquer outra cidade ou pais onde a língua nativa seja o inglês, você já passou por isso. Não minta!

Moro em Londres há aproximadamente 11 anos, e mesmo depois de formado na faculdade e cursado o nível avançado de inglês em Londres, continuava puxando ao invés de empurrar (quase) todas as vezes que me deparava com o sinal “push” em alguma porta.

Convivendo com outros brasileiros em Londres e também com outros estrangeiros, cheguei a uma conclusão que me trouxe um alívio imenso: não era o único a pagar esse mico diariamente!

doors

Devo confessar, no entanto, que no início desse ano li um livro sobre nossa capacidade mental (The Chimp Paradox), onde o autor ensina a criar respostas automáticas para reações negativas do seu dia a dia, e eu adaptei esse ensinamento com a questão descrita nesse artigo. Minha solução: push = empurre. Criei então esse “gancho mental” que me habilitou a vencer esse obstáculo. Finalmente!!! Não parou por aqui.

Recentemente vim ao Brasil por conta de alguns compromissos pessoais e outro problema surgiu. Puxe = empurre. Não acreditei! Minha mente, depois de treinada a reagir com a ação de empurrar todas as vezes que lia a palavra “push” estava agora me levando a ter a mesma reação ao ler a palavra “puxe”.

Fico sem uma conclusão específica, mas agora, ainda estando no Brasil, procuro uma solução mais permanente e bilíngue que tome o lugar da minha solução inicial… ahaha. Estou aberto para ouvir suas ideias, sugestões e experiências pessoais sobre o assunto! Sério!!!!

Espero que minha experiência possa trazer um alívio a leitores que possivelmente tiveram a mesma experiência todas as vezes que se depararam com o sinal “push”. Espero também que tenha sido um conteúdo informativo para aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de visitar Londres, mas que em breve irão. Para recapitular: push = empurre.

Boa viagem!

Continue Lendo

Língua é Cultura

Expressões Idiomáticas II

Publicado

em

Hey guys! Escreveu as expressões idiomáticas? Leu em voz alta? Isso ajuda a memorizar, especialmente se escreve e deixa bem a sua frente, para todos os dias ler e lembrar.

Hoje vou direto ao assunto, começando com expressões bem conhecidas, comuns em ouvirmos por ai. Escuta-se muito em filmes ou entre pessoas no metrô, “Do you get it?” ou melhor ainda, usam de forma informal, e pode-se dizer até que é “You get it ? Get it?” , expressando ‘você entendeu? Sacou ?’.

Outra bem conhecida é o famoso ‘Come on!’. Esse verbo “come on” tem mais de um sentido, o literal e o idiomático. Literalmente significa “venha”, quando se chama alguém. Em shows, é bem comum ouvir, dando sentido de ‘vamos lá!’, animando o público. Come one também pode ter sentido de “desiste dessa idéia, deixa disso” numa situação quer quer expressar ‘se acalme, não vale a pena’. Muito usado também Come along, quando convida alguém para ir a algum lugar, convidando. Por exemplo: “ I’ll be at park on Sunday. Come along!”.

Expressões com sentido literal
Aqui tem alguns exemplos de expressão idiomáticas mas com sentido literal, aquela que segue à risca do nosso português: “It’s a shame that…” que significa “ É uma pena que…”. Temos “All right” ( tudo certo), “ Just a minute” ( Só um minuto), “ I have no Idea” ( eu não tenho idéia.) ou ainda “it´s not fair” ( Não é justo!). “I can’t believe that!” (Não acredito nisso!) também muito usado. E “ No kidding!” ou “You must be joking!” causa sentido de você tá brincando?!

Expressões sem sentido literal
As expressões idiomáticas muitas vezes não seguem o sentido no pé-da-letra. Grande exempo é uma das primeiras frases que aprendemos na escola, quando estamos estudando inglês ‘How old are you’. Não dá para traduzir, senão ficaria (Como velho você é?). Pois bem, é uma expressão da língua inglesa usada para perguntar (quantos anos você tem?).

Ou a famosa frase “How do you do?” para cumprimentar (como vai você?). Ambas expressões não tem sentido literal.

Muito comum em ouvir: “Never mind” (Não tem importância, deixa pra lá!). “Really?”( sério? Mesmo?); “Are you sure?” ( tem certeza?); “Let me know” ( me informe, me diga); “Cheers” ( valeu!)

Uma expressão que gostei muito de aprender foi “It´s up to you” na situação de você ter que escolher algo entre x ou y. A frase quer dizer (você que escolhe / você que sabe). Uma ótima, quando você quer dizer algo mas esqueceu o que era, você diz “It´s gone” ( esqueci, se foi, sumiu).

Aqui tem mais expressões usadas no dia-a-dia, em UK. “Be careful” ( tenha cuidado) diferente de “Take care” ( se cuida).

Ainda pode anotar ae, “It´s not your business” ( não é da sua conta, não é problema seu) quando alguém está entrometendo em algo que você acha que não é problema dele.

Eu ria muito ao aprender cada uma. Eu espero que você tenha se divertido também! Finalizo aqui, te vejo na próxima semana! Fique à vontade em nos dar sua sugestão!

Continue Lendo

Língua é Cultura

Expressões Idiomáticas em Inglês

Publicado

em

Hello guys! What’s up? E aí?

Lembram dessas expressões de cumprimento? No segundo artigo “Hi! Are you ok? Not too bad! Bye!” falei de várias expressões mas está semana recebi um e-mail de Marco Ferreira me lembrando de uma expressão que não citei, álias uma gíria bem comum de ser ouvida “What are you up to?” para perguntar “O que você está planejando?”. Taí, mais uma para suas anotações.

Nesse processo de aprendizagem de uma língua estrangeira, especificamente o Inglês, sempre cometemos muitos erros. Muitos deles acontecem por causa da estrutura de frase que fazemos ao comparar inconscientemente a língua inglesa com a nossa portuguesa. Muitas vezes sem saber como expressar, inventamos a nossa maneira abrasileirada e fazemos frases engraçadíssimas, e que não tem sentido aos ouvidos daquele que fala fluente o inglês. Mas devemos lembrar que em qualquer língua há expressões próprias do idioma chamadas de Expressões Idiomáticas ou idioms.
Existem vários dicionários sobre frases idiomáticas e são bem interessantes, difícil é decorar todas. Tem tantas expressões que poderia ficar o ano todo só citando-as. Um exemplo bom, correspondente a nossa expressão idiomática “Por incrível que parece…” é “Amazing as it sounds…” / ameizinezit saunds/.

Of couse yes!
Vou contar mais um dos micos que já paguei. Quando dizemos “Claro” para afirmar, às vezes colocamos o “sim”após o “claro” para dar ênfase afirmativa mas não podemos fazer o mesmo em inglês, ou seja, não podemos falar “Of course yes!”. Confesso que cometi esse erro devido à comparação mental inconsciente.  Engraçado? ☺ Na hora, o inglês, músico Charles, um querido, me olhou torto querendo rir, e questionou “ Of course yes?”. Como ele fala português, logo soube que não existia essa frase. “Of course” quando se diz, já está subentendido que a resposta é “sim”, tanto em inglês e em português, não precisa pôr o sim, mas nós brasileiros colocamos. E o inglês fica sem entender, porque para ele é desnecessário. Para afirmar com ênfase, pode ser dito é “Of course it is”. Para negar temos, “Of course not!” (Claro que não!).
Tanto no português como no inglês podemos dar ênfase para negar, colocando o “not” ( não). É como “ why?” e “ why not?”. Não existe “ why yes?”. O mesmo acontece com “ Maybe”. Existe “Maybe not” mas não existe “ maybe yes”. Entende? ☺ Faz parte da estrutura da língua, não há uma explicação.

Pronome it, no final de frase.
Às vezes, onde os ingleses não usam um termo, como o “yes”, após um pronome ou um advérbio, nós colocamos; e às vezes não colocamos termos onde eles pedem. Como por exemplo, quando queremos retomar a alguma idéia já dita, falamos frases sem colocar o pronome “it” ou “ that”. Eu já falei várias vezes “How is? Do you like? ou “ What time is?” E vi olhar de espanto, expressando (como é o que? Gosto de que ? o que ela tá falando?). Parecia que eles não sabiam do que eu estava dizendo, e acho que não sabiam mesmo. À falta do “it” ou “ that” faz com que a frase soe estranho aos ouvidos deles. O “it” serve para ser sujeito ( usado antes de verbo) ou para ser objeto ( após o verbo) para referir a algo já dito) como “ How is that?” ( o que é isto?)  ou “ What time is it? ( que horas são?).

Anyway, Whatever
Desde que cheguei uma das expressões que mais ouvi foi: “Anyway” (tanto faz; de qualquer maneira). Muito usado também “Whatever” ( Seja lá o que for), que pode derivar outras frases  em relação a essa, por ex. “Whatever you like”  (como você quiser). Tem algumas expressões que parecem bizarras, como “All alone” ( a sós). Se seguir no pé-da-letra “all” é tudo e  “ alone” sozinho, ou seja, (tudo sozinho), fica totalmente sem sentido.

Não perca a próxima matéria, estarei trazendo mais expressões idiomáticas.☺ See you next week!

Continue Lendo

Popular