Connect with us

Língua é Cultura

Expressões Idiomáticas em Inglês

Publicado

em

Hello guys! What’s up? E aí?

Lembram dessas expressões de cumprimento? No segundo artigo “Hi! Are you ok? Not too bad! Bye!” falei de várias expressões mas está semana recebi um e-mail de Marco Ferreira me lembrando de uma expressão que não citei, álias uma gíria bem comum de ser ouvida “What are you up to?” para perguntar “O que você está planejando?”. Taí, mais uma para suas anotações.

Nesse processo de aprendizagem de uma língua estrangeira, especificamente o Inglês, sempre cometemos muitos erros. Muitos deles acontecem por causa da estrutura de frase que fazemos ao comparar inconscientemente a língua inglesa com a nossa portuguesa. Muitas vezes sem saber como expressar, inventamos a nossa maneira abrasileirada e fazemos frases engraçadíssimas, e que não tem sentido aos ouvidos daquele que fala fluente o inglês. Mas devemos lembrar que em qualquer língua há expressões próprias do idioma chamadas de Expressões Idiomáticas ou idioms.
Existem vários dicionários sobre frases idiomáticas e são bem interessantes, difícil é decorar todas. Tem tantas expressões que poderia ficar o ano todo só citando-as. Um exemplo bom, correspondente a nossa expressão idiomática “Por incrível que parece…” é “Amazing as it sounds…” / ameizinezit saunds/.

Of couse yes!
Vou contar mais um dos micos que já paguei. Quando dizemos “Claro” para afirmar, às vezes colocamos o “sim”após o “claro” para dar ênfase afirmativa mas não podemos fazer o mesmo em inglês, ou seja, não podemos falar “Of course yes!”. Confesso que cometi esse erro devido à comparação mental inconsciente.  Engraçado? ☺ Na hora, o inglês, músico Charles, um querido, me olhou torto querendo rir, e questionou “ Of course yes?”. Como ele fala português, logo soube que não existia essa frase. “Of course” quando se diz, já está subentendido que a resposta é “sim”, tanto em inglês e em português, não precisa pôr o sim, mas nós brasileiros colocamos. E o inglês fica sem entender, porque para ele é desnecessário. Para afirmar com ênfase, pode ser dito é “Of course it is”. Para negar temos, “Of course not!” (Claro que não!).
Tanto no português como no inglês podemos dar ênfase para negar, colocando o “not” ( não). É como “ why?” e “ why not?”. Não existe “ why yes?”. O mesmo acontece com “ Maybe”. Existe “Maybe not” mas não existe “ maybe yes”. Entende? ☺ Faz parte da estrutura da língua, não há uma explicação.

Pronome it, no final de frase.
Às vezes, onde os ingleses não usam um termo, como o “yes”, após um pronome ou um advérbio, nós colocamos; e às vezes não colocamos termos onde eles pedem. Como por exemplo, quando queremos retomar a alguma idéia já dita, falamos frases sem colocar o pronome “it” ou “ that”. Eu já falei várias vezes “How is? Do you like? ou “ What time is?” E vi olhar de espanto, expressando (como é o que? Gosto de que ? o que ela tá falando?). Parecia que eles não sabiam do que eu estava dizendo, e acho que não sabiam mesmo. À falta do “it” ou “ that” faz com que a frase soe estranho aos ouvidos deles. O “it” serve para ser sujeito ( usado antes de verbo) ou para ser objeto ( após o verbo) para referir a algo já dito) como “ How is that?” ( o que é isto?)  ou “ What time is it? ( que horas são?).

Anyway, Whatever
Desde que cheguei uma das expressões que mais ouvi foi: “Anyway” (tanto faz; de qualquer maneira). Muito usado também “Whatever” ( Seja lá o que for), que pode derivar outras frases  em relação a essa, por ex. “Whatever you like”  (como você quiser). Tem algumas expressões que parecem bizarras, como “All alone” ( a sós). Se seguir no pé-da-letra “all” é tudo e  “ alone” sozinho, ou seja, (tudo sozinho), fica totalmente sem sentido.

Não perca a próxima matéria, estarei trazendo mais expressões idiomáticas.☺ See you next week!

Curiosa, apaixonada pela vida, sinto feliz quando sou útil a alguém! Espero que os textos sobre inglês sejam úteis na sua vida! E que você supere todos obstáculos da linguagem para conquisar espaços jamais conquistados!

Continue Lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog

Não “push”, empurre!

Publicado

em

Essa semana publiquei uma foto que gerou vários comentários e despertou a curiosidade de muitos! Se você já veio a Londres ou a qualquer outra cidade ou pais onde a língua nativa seja o inglês, você já passou por isso. Não minta!

Moro em Londres há aproximadamente 11 anos, e mesmo depois de formado na faculdade e cursado o nível avançado de inglês em Londres, continuava puxando ao invés de empurrar (quase) todas as vezes que me deparava com o sinal “push” em alguma porta.

Convivendo com outros brasileiros em Londres e também com outros estrangeiros, cheguei a uma conclusão que me trouxe um alívio imenso: não era o único a pagar esse mico diariamente!

doors

Devo confessar, no entanto, que no início desse ano li um livro sobre nossa capacidade mental (The Chimp Paradox), onde o autor ensina a criar respostas automáticas para reações negativas do seu dia a dia, e eu adaptei esse ensinamento com a questão descrita nesse artigo. Minha solução: push = empurre. Criei então esse “gancho mental” que me habilitou a vencer esse obstáculo. Finalmente!!! Não parou por aqui.

Recentemente vim ao Brasil por conta de alguns compromissos pessoais e outro problema surgiu. Puxe = empurre. Não acreditei! Minha mente, depois de treinada a reagir com a ação de empurrar todas as vezes que lia a palavra “push” estava agora me levando a ter a mesma reação ao ler a palavra “puxe”.

Fico sem uma conclusão específica, mas agora, ainda estando no Brasil, procuro uma solução mais permanente e bilíngue que tome o lugar da minha solução inicial… ahaha. Estou aberto para ouvir suas ideias, sugestões e experiências pessoais sobre o assunto! Sério!!!!

Espero que minha experiência possa trazer um alívio a leitores que possivelmente tiveram a mesma experiência todas as vezes que se depararam com o sinal “push”. Espero também que tenha sido um conteúdo informativo para aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de visitar Londres, mas que em breve irão. Para recapitular: push = empurre.

Boa viagem!

Continue Lendo

Língua é Cultura

Expressões Idiomáticas II

Publicado

em

Hey guys! Escreveu as expressões idiomáticas? Leu em voz alta? Isso ajuda a memorizar, especialmente se escreve e deixa bem a sua frente, para todos os dias ler e lembrar.

Hoje vou direto ao assunto, começando com expressões bem conhecidas, comuns em ouvirmos por ai. Escuta-se muito em filmes ou entre pessoas no metrô, “Do you get it?” ou melhor ainda, usam de forma informal, e pode-se dizer até que é “You get it ? Get it?” , expressando ‘você entendeu? Sacou ?’.

Outra bem conhecida é o famoso ‘Come on!’. Esse verbo “come on” tem mais de um sentido, o literal e o idiomático. Literalmente significa “venha”, quando se chama alguém. Em shows, é bem comum ouvir, dando sentido de ‘vamos lá!’, animando o público. Come one também pode ter sentido de “desiste dessa idéia, deixa disso” numa situação quer quer expressar ‘se acalme, não vale a pena’. Muito usado também Come along, quando convida alguém para ir a algum lugar, convidando. Por exemplo: “ I’ll be at park on Sunday. Come along!”.

Expressões com sentido literal
Aqui tem alguns exemplos de expressão idiomáticas mas com sentido literal, aquela que segue à risca do nosso português: “It’s a shame that…” que significa “ É uma pena que…”. Temos “All right” ( tudo certo), “ Just a minute” ( Só um minuto), “ I have no Idea” ( eu não tenho idéia.) ou ainda “it´s not fair” ( Não é justo!). “I can’t believe that!” (Não acredito nisso!) também muito usado. E “ No kidding!” ou “You must be joking!” causa sentido de você tá brincando?!

Expressões sem sentido literal
As expressões idiomáticas muitas vezes não seguem o sentido no pé-da-letra. Grande exempo é uma das primeiras frases que aprendemos na escola, quando estamos estudando inglês ‘How old are you’. Não dá para traduzir, senão ficaria (Como velho você é?). Pois bem, é uma expressão da língua inglesa usada para perguntar (quantos anos você tem?).

Ou a famosa frase “How do you do?” para cumprimentar (como vai você?). Ambas expressões não tem sentido literal.

Muito comum em ouvir: “Never mind” (Não tem importância, deixa pra lá!). “Really?”( sério? Mesmo?); “Are you sure?” ( tem certeza?); “Let me know” ( me informe, me diga); “Cheers” ( valeu!)

Uma expressão que gostei muito de aprender foi “It´s up to you” na situação de você ter que escolher algo entre x ou y. A frase quer dizer (você que escolhe / você que sabe). Uma ótima, quando você quer dizer algo mas esqueceu o que era, você diz “It´s gone” ( esqueci, se foi, sumiu).

Aqui tem mais expressões usadas no dia-a-dia, em UK. “Be careful” ( tenha cuidado) diferente de “Take care” ( se cuida).

Ainda pode anotar ae, “It´s not your business” ( não é da sua conta, não é problema seu) quando alguém está entrometendo em algo que você acha que não é problema dele.

Eu ria muito ao aprender cada uma. Eu espero que você tenha se divertido também! Finalizo aqui, te vejo na próxima semana! Fique à vontade em nos dar sua sugestão!

Continue Lendo

Língua é Cultura

Por que aprender inglês?

Publicado

em

Hey! How are the things?

Nas primeiras colunas vimos expressões de como usar ‘Can I …’, ‘Could you…’ e por último expressões de cumprimento. Hoje venho te propor a pensar  ‘Porque estudar inglês?’ Infelizmente, muitos brasileiros pensam que é perder tempo aprender inglês. Você pode dizer, não é vero!

Vou te contar um historinha: quando cheguei em Londres, percebi que no meu bairro, ali em Kensal Rise, haviam muitos brasileiros. Fui então numa festa de aniversário onde mesmo tendo “italianos, francês e até libanês”, eu percebi que a maioria, que era de brasileiros e não falavam inglês. Eu acabei descobrindo isso conversando com as pessoas, o que incluía a minha irmã. Eu pensei então: “Nossa, eles estão aqui há tantos anos e não falam inglês, no máximo “oi”, “bye”, “thank you” (…)”.

Cheguei a conclusão que tal fato tinha a ver com o trabalho, já que muitos brasileiros, e outros estrangeiros vem a Londres para trabalhar e uma minoria para estudar, álias esse número tem crescido. O brasileiro vem com intenção de estudar para conseguirmos conhecimento e depois voltar para o Brasil, para ter um bom emprego. Ou trabalhar para conseguir dinheiro e comprar o que planejou e voltar. Os que vêm com intenção para trabalho são os que podem pecar na aprendizagem do inglês.

Claro que que conheci muitos brasileiros que aprenderam a língua inglesa e a falam bem. E fico feliz em ter amigos que me incentivaram e incentivam outras pessoas para isso.

Nessa festa, falei com alguns brasileiros e ouvi sempre a mesma coisa: “Pra quê aprender? Não precisamos, não usamos no nosso trabalho!”. Isso me assustou. Mas aí eu sugeri: ‘porque aprender? porque você quer um emprego melhor!!!’. Aprender a Língua permite que você volte para o país, além de ter conseguido o que queria, você aprendeu a língua. Mal sabia eu, anos depois que aprendendo a Língua, você não quer mais voltar para o Brasil.

Pois bem, com a Língua Inglesa, você vai abrir o seu mundo para um leque de oportunidades porque a Língua é o acesso para à informação, educação, e claro a cultura que este país oferece.

Depois de ter visto que os brasileiros que eu conheci não entendiam o inglês, eu me perguntava: “Meu Deus, como as pessoas sobrevivem?”. Não sabia como era a comunidade, estava aqui há 3 dias. Logo depois, então descobri como elas viviam J Vi que tínhamos manicure, cabelereira, açougue, restaurantes, mercado, loja de roupas só de brasileiros para brasileiros, logo tudo falado em Português. Ai achei o porque. Por isso que muitos acham que não há motivo de aprender a língua inglesa. Ouvia brasileiros me questionarem: “Pra quê? Eu vou no açougue, no mercado e tem tudo brasileiro aqui. Não vou usar essa língua no Brasil”.

Então, aconteceu uma outra experiência – eu vi o Serginho Groisman no primeiro Brazilian Day dizer que somos “ uma comunidade que trabalha muito muito muito e merece muito porque somos uma classe de trabalhadores”, horroroso dizer que viemos para a Inglaterra só para trabalhar. Sei que, de certa forma, ele está certo, pois existe uma massa brasileira que só vêm para trabalho mesmo, mas não podemos pensar que todos querem só isso. Não podemos querer só isso numa cidade que oferece tanto. E mesmo para aqueles que vem só para trabalhar, gostaria que estes refletissem um pouco sobre “por que aprender inglês?”.

Pra quê?

O inglês é a língua mais importante no mundo. Não é a língua mais falada, porque sabemos hoje que é o mandarim. De acordo com o site www.englishexperts.com.br (que álias recomendo), o inglês é o mais difundido (widespread). Alguns fatos provam isso: Inglês é a língua internacional das viagens marítimas e aéreas, da computação, da música pop, da Tv e filmes, da política, da ciência, da medicina e do esporte, da arte.

Como o mundo hoje é um lugar pequeno porque a comunicação e viagem são extremamentes rápidas devido aos satélites de TV, ao telefone, telefax, a internet etc., precisamos de uma língua em comum e esta língua é o Inglês.

O inglês é a primeira língua na Austrália, nas Bahamas, no Canadá, na Irlanda, na Guiana, na Nova Zelândia, nos Estados Unidos e aqui na Inglaterra, claro. Além disso, é a segunda língua oficial em muitos outros países como a Ìndia, Nigéria, África do Sul, Israel etc. Claro que em cada um desses países que o inglês é falado, existem diferenças no vocabulário, na estrutura da gramática, como o American English e British English.

O inglês te dá acesso a lugares inimaginados, a lugares que não irá conhecer se continuar falando apenas sua língua. Pense nisso! Você se libertará de medos e conquistará um outro mundo, porque você o ampliou ao arriscar em aprender mais uma língua.

Aprender inglês no Brasil é mais difícil porque não é fácil encontrar um grupo que pratica sempre. Já aqui em Londres, você pode falar a cada esquina. Estudei 10 anos de inglês no Brasil e me irritava não saber ainda me comunicar na língua. Foi por isso que decidi vir pra cá. E sabe como vejo o inglês agora? Olho para essa língua como olho para a vida. Aproveite todas as situações e oportunidades que surgir para você se expressar, ora vai acertar ora vai errar, mas vai aprender porque alguém vai te corrigir. E você esteja preparado, não se irrite, não se envergonha. Vida e Língua serão sempre assim: uma aprendizagem. Nunca saberemos o bastante.

Porque não aprendemos inglês?

Chegando aqui em Londres, por natureza, ou instinto de segurança, procuramos quem fala a nossa língua e acabamos encontrando a nossa comunidade. Isso não acontece só com nós, brasileiros. Na minha sala, japoneses andavam com japoneses, colombianos com colombianos, italianos com italianos etc. E eu fugia dos brasileiros  – no bom sentido. Eu tentava interagir com os outros, sem ser brasileiros, para me expor ao erro mesmo.

Sabe como? Chamava alguém pra comprar algum lanche comigo ou chamava para ir no pub que eu ia após a aula. E assim quando iam num pub, me chamavam também. Era divertido. Mas tenho que confessar, que eu não fugia do português. Quando menos esperava, respondia em português com quem falasse português. Até que pus uma regra entre eu e meus amigos brasileiros “ vocês vão me chamar de metida, mas só vou falar inglês com vocês (brasileiros que tinha na sala.)”.  Isso foi ótimo porque aprendendo Inglês, cometíamos os mesmos erros e assim nos corregíamos. Depois, eles faziam como eu, falamos em inglês mesmo sabendo muito bem nosso português. J

Pois é, mas só ir na escola, é pouco para aprender inglês. O importante é interagir por onde for, arriscar a cada esquina para aprender.

Dicas ? Tips

Darei algumas dicas de forma geral, porque é difícil aconselhar sem saber mais sobre você:

  • Reflita sobre tudo que isso que escrevi (por quê você estuda inglês?). Se não achar um motivo, pense o quanto é importante para entender melhor o mundo em que vive, esse que está a sua volta. Depois imagine se você tivesse a tal fluência. O que você vê? Como você se sente? É bom?
  • Se puder, faça um curso, é um local para tirar suas dúvidas e interagir. Mesmo que trabalhe muito, faça um curso.
  • Não esqueça de ouvir as músicas em inglês, inclusive algumas que já dei dica.
  • Mesmo que não entenda, pegue o jornal escrito em inglês e procure alguma reportagem que te chame atenção e tente ler. Se tiver uma palavra, uma frase que você ficou muito curioso pra saber e não entendeu, anote-a e depois pesquise.
  • Faça anotações, elas são muito importantes, e quando tiver um tempinho, releia. Melhor, escreva em papéis e coloque no quarto, de tal forma que fique na sua frente quando levantar da cama. Se arrume para o trabalho, lendo essas frases. Depois de aprendidas (ou decoradas, que seja!), pregue outra folha.
  • Se possível, veja se não tem nenhum amigo com a mesma intenção. Se você tiver, estudem juntos (se possível, um amigo que não fale português). Como? Procure no gumtree.com alguém para você fazer “swap”, uma troca. Você ensina português e a pessoa te ensina inglês. Procure outros grupos de exchange language, temos vários que fazem encontros semanais.

Eu aprendi inglês pagando mico, fazendo anotações, indo no exchange language e ainda aprendo. Como? Prática. Isso é mais importante que o livro e um professor. Aprende fácil quando você desafia você mesmo, dedique uma parte do seu tempo para isso e verás resultados em pouco tempo.  Espero que eu tenha ajudado. Have a nice week!

Continue Lendo

Popular